Espiritismo e polÍtica

Postado em 03/07/2015 | 1 comentarios | 1291 visualizações

Questão 573 d’O Livro dos Espíritos: “Em que consiste a missão dos Espíritos encarnados?” Resposta dos espíritos: “Instruir os homens, ajudar seu progresso, melhorar suas instituições por meios diretos e materiais. Mas as missões são mais ou menos gerais e importantes: aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. Tudo se encadeia na Natureza; ao mesmo tempo em que o Espírito se depura pela encarnação, ele concorre, sob essa forma, para o cumprimento dos caminhos da Providência. Cada um tem sua missão neste mundo, posto que cada um pode ser útil para alguma coisa”.

            Uma reflexão que faz sentido neste momento em que, excetuando raríssimas exceções, se vê o meio político tão mal representado: por que, quando encarnados, espíritos de alto nível evolutivo como Cairbar Schutel, Bezerra de Menezes e Eurípedes Barsanulfo exerceram cargos políticos? Teria sido por acaso? Certamente não. O Espiritismo nos esclarece que nada ocorre por acaso. Portanto, esse trio que tanto amamos exerceu cargos políticos para – pelo exemplo – nos ensinar sobre a importância do exercício da política. Eles aplicaram a instrução dos espíritos descrita logo acima, que diz que cabe aos encarnados “melhorar suas instituições por meios diretos (…)”.

            Nossos três irmãos foram exemplos vivos na tentativa de melhorar a instituição política por meio direto. Foram candidatos e se elegeram em importantes cargos políticos. Outra reflexão que faz sentido: terá sido por acaso que na resposta da questão 573, acima, os espíritos deram exemplos de importantes missões referindo-se aos agricultores (“aquele que cultiva a terra”), aos políticos (“aquele que governa”) e aos educadores (“aquele que instrui”)? Certamente não. Não foi por acaso. Estas três atividades são o tripé que sustenta nosso planeta. Se houver bem intencionados agricultores, educadores e políticos, a humanidade tem todo o potencial para despontar espiritualmente. Pois, tendo agricultores bem cuidando do que vem debaixo da terra, tendo políticos bem cuidando do que existe sobre a terra, e tendo educadores (professores, pais, líderes espirituais, etc.) bem cuidando das almas dos que habitam nosso planeta, então, todos os ângulos e segmentos do desenvolvimento terreno serão contemplados por benfazejo desenvolvimento.

            A política, ética e bem direcionada, é um dos mais importantes instrumentos de desenvolvimento social e humano. O espírita é homem do mundo. É cidadão do mundo. Portanto, sua cidadania deve ser exercida em todos os ambientes.

            As grandes questões são: Por que no meio espírita temos tão poucos candidatos a cargos políticos?

            Por que não surgem dezenas e dezenas (centenas, melhor ainda) de “Freitas Nobre”?

            Por que os espíritas com boa situação econômica não estimulam a apoiar financeiramente candidatos espíritas?

            Será que as quatro paredes de um Centro Espírita podem fazer mais do que políticos espíritas espalhados pelas dezenas de estados e milhares de municípios de nosso país?

Comentarios deste post

De: Nilson Cesar Goes | Cidade: Florianópolis29/07/2015

Cumprimento-os por levantar para reflexão ao movimento espírita tão importante assunto, que creio, deveria se estender para outras ADE's, afim de proporcionar uma ampla reflexão a nível nacional. O espaço não permite que faça algumas anotações, que estarei encaminhando em separado. Fraterno abraço Nilson

Deixe seu comentário

Comentário*
Ainda não temos nada digitado..